Por que você não gosta de empresas de desenvolvimento de software?

Após anos de atuação no mercado de TI trabalhando em empresas que contratam fábricas de software observamos um fato interessante:  fábricas de software ‘apenas’ criam software.

 

Tá, e o que tem de errado nisso?

 

Nada realmente.

 

Mas existe diferença entre fazer certo e fazer as coisas certas, correto?

 

Nem todos os clientes são iguais. Nem todos os projetos de software e implantação devem ser iguais. Nem todo problema requer a abordagem de venda de um software grande e um projeto longo. Eu passei anos dentro de empresas nas quais a resposta para tudo era implantar um software alemão que custa alguns milhões de reais.

 

Foi pensando nisso que em 2018 criamos a Eleva. Nossa missão é bem simples: garantir que você faça as coisas certas (o seu trabalho) da melhor forma possível pois assim a gente entende que sua empresa se sairá melhor do que as concorrentes. O nosso diretor de processos adora isso, é o que ele chama de competitividade.

 

Tirar essa missão do papel, no entanto, requer um pouco mais de trabalho. Eu explico: Nem sempre é tão simples descobrir se estamos fazendo a coisa certa nas empresas. Nossa forma de trabalhar envolve a compreensão do que você está fazendo no momento e se, para isso, você possui todas as informações e insumos possíveis e se com o resultado do seu trabalho, você está entregando para a próxima área ou cliente aquilo que ele efetivamente espera.

 

Outro ponto, é que ser eficiente requer foco e nós acreditamos que o efeito colateral do foco seja a cultura de silos e departamentos que vemos nas organizações.

 

Parece papo de consultoria, não parece?

 

E na verdade é de certa forma, com uma diferença.

 

No fim nós te entregamos um sistema que você pode ver na prática se funciona incorporando tudo que a gente aprendeu (e não uma maçaroca de papel que os consultores adoram).

 

Na Eleva gostamos de desenvolver softwares horizontais: sistemas que integram diferentes atores em uma empresa ou segmento. Criamos assim a nossa solução para locadoras de veículos (Elevatrade), nossas ferramentas de acompanhamento de ações e desvios para atender um grande cliente do segmento de óleo e gás. Foram projetos que após a fase de descoberta e estudo e – em alguns casos – após algumas versões e MVPs, acabaram crescendo e tendo os seus horizontes expandidos.

 

Para isso investimos em entender o processo do cliente a partir do dia 1 do projeto.

 

Veja bem. Usamos todas aquelas metodologias e sopa de letrinhas técnicas que as fábricas usam também, mas sinceramente, o nosso negócio é falar com você e não com programador.

 

Gostamos de trabalhar com ferramentas de low code (em português – com partes de montar, feito LEGO) e linguagens prescritivas porque elas aceleram o tempo de desenvolvimento. Nosso mantra é que não basta apenas ter o software bem arquitetado se ele não resolve a dor e entregar mais rápido em versões simples significa saber antes se o problema é resolvido na prática ou não.

 

É por isso que a Eleva se chama Eleva. Buscamos te levar para um outro patamar através do trabalho que fazemos. A gente se vê diferente porque pedimos licença para entender o seu trabalho indo além daquilo que você estava imaginando. No final do dia fazemos aquilo que o cliente realmente quer, mas apontamos e sugerimos para direções cujos resultados já sabemos baseados em muitos anos de experiência.

 

O último detalhe importante que esqueci de mencionar diz respeito ao caráter dinâmico dos negócios. O que vale hoje pode mudar amanhã. A gente entende e leva isso muito a sério. Tal conhecimento pauta as decisões pelo uso de tecnologias e metodologias.

 

Se o que eu te falei faz sentido e você precisa de um parceiro que te ajude a reimaginar o seu negócio ou tornar aquele processo chato menos moroso, entre em contato sem compromisso e estaremos aqui para te ajudar.

Abraço.

Leia Mais
Rafael Guedes abril 11, 2020 0 Comentários